O que são nódulos benignos da mama?

Há diferentes tipos de nódulos benignos da mama. Em geral, os nódulos são divididos em três tipos: 

  - Não-proliferativos: esse tipo tem células normais. Um exemplo bem comum são os cistos. Geralmente os cistos são pequenos e desaparecem espontaneamente ou podem ser esvaziados com uma agulha caso fiquem volumosos.

  Outro exemplo de nódulo ou massa não-proliferativa é o fibroadenoma. Caso o fibroadenoma atinja um tamanho que incomode a paciente, pode ser necessário a remoção cirúrgica.

  - Proliferativo sem atipia: nesse tipo de massa mamária, as células aumentam em número mas são normais, ou seja, sem atipia. Ter esse tipo de nódulo ou massa mamária representa um pequeno aumento no risco de desenvolvimento de câncer de mama no futuro. Geralmente, esses nódulos ou massas mamárias são extraídos cirurgicamente. Mas, muitas vezes, podemos simplesmente acompanhá-los com o médico especialista para nos certificar que não estão em crescimento.

  - Hiperplasia atípica: o termo hiperplasia significa que as células se proliferam, ou seja, crescem em número. Já o termo atipia significa que as células não parecem normais quando as examinamos ao microscópio. A hiperplasia atípica representa um risco aumentado para o desenvolvimento de câncer de mama. Por isso, a extração cirúgica e o acompanhamento da paciente são a conduta preconizada.

O que é mastite?

Mastite significa infecção no tecido das mamas. É muito comum nas pacientes que estão amamentando: um ducto mamário, por onde passa o leito, fica obstruído. Se isso acontecer, um ponto específico da mama ficará progressivamente edemaciado, vermelho, quente e doloroso. A mastite pode afetar a paciente com sintomas gerais semelhantes ao de um resfriado, como febre , fadiga e dor.

  Pode ser necessário a prescrição de antibiótico. Utiliza-se anti-inflamatório para diminuir a dor, aliviar os sintomas de inflamação e permitir que a paciente retome a amamentação. Não há risco para o bebe uma vez que se tenha iniciado a antibioticoterapia.

Quais são os sinais e sintomas do fluxo papilar?

  O fluxo papilar, descarga ou derrame papilar benigno tende a ocorrer nas duas mamas e só quando se faz expressão das papilas.  O aspecto do fluxo é branco um pouco amarelado.  As descargas incolores ou sanguinolentas inspiram mais preocupação e sempre devem ser apresentadas ao médico assistente.

O que causa o fluxo papilar?

O fluxo papilar é um sintoma comum das alterações benignas da mama.  Durante a gravidez, é comum se observar descarga papilar à medida que as mamas se desenvolvem para a produção de leite. Nas mulheres que não estão grávidas, a saída de secreção das mamas com aspecto de leite por vezes é causada por alterações hormonais. As descargas papilares devem ser examinadas pelo gineco-obstetra para avaliação de  possível causa.

Quais são as alterações de pele observadas nas mamas?

A pele das mamas pode ser afetadas por problemas com eczema e psoríase. Infecção por fungo pode ocorrer nas dobras das mamas e é uma situação bem comum nas pacientes com mamas volumosas. Algumas alterações de pele podem ter relação com câncer de mama. Essas alterações podem ser vermelhidão com aumento da temperatura associado à depressão na pele, pequenas bolhas e úlceras dolorosas. Alterações na forma dos mamilos ou presença de descamação da pele também são preocupantes. Informa seu médico gineco-obstetra se observar alterações de pele desse tipo.

Como as condições benignas da mama são avaliadas?

Se você tem sintomas mamários, informe seu médico. Além do exame clínico, o médico provavelmente solicitará algum exame de imagem. Os mais comumente solicitados são a ecografia de mama, a mamografia e a ressonância nuclear magnética (RNM). Em alguns casos, dependendo do que for observado nos exames de imagem, será necessário fazer biópsia.

Qual tipo de acompanhamento é necessário fazer em quem tem alterações benignas da mama?

A maior parte das alterações benignas da mama não representam risco aumento para câncer de mama, porém, alguns tipos de nódulos podem requerer acompanhamento médico. Se você apresenta alguma alteração mamária que represente um risco aumentado de desenvolvimento de câncer, será necessário realizar exames de imagem da mama com maior frequência por cerca de 1 a 2 anos após o diagnóstico. O curso do acompanhamento será baseado na idade da paciente e nos resultados dos exames.

  Na década de 80, recomendava-se o auto-exame da mama. Ao longo dos anos, os profissionais de saúde perceberam que a paciente sentia ansiedade e mesmo medo de ir ao médico diante da possibilidade de que qualquer característica, por vezes normal em sua mama, pudesse ser um sinal de câncer. Hoje, recomenda-se que as pacientes procurem seu médico caso tenham dúvida e que aproveitem a oportunidade da consulta para compreender o que é normal na estrutura mamária. Quando a paciente entende o que é apenas uma característica ou uma variante da normalidade, diminui-se a ansiedade e a fobia. E, paralelamente, o rastreio do câncer de mama é otimizado, pois as paciente perdem o temor de fazer a visita médica anual para exames de rotina.

Fonte: The American College of Obstetrician and Gynecologists. Women's Health Care Physicians. www.acog.org/Patients/FAQs/Benign-Breast-Problems-and-Conditions